Minha Primeira Vez com uma Coroa

Era outubro de 2018, e eu, um estudante de Direito com 18 anos recém completados, acabo de saber que fui extremamente bem em todas as provas e dou aquela relaxada que é natural e fico um pouco “vagabundo” em questão de frequentar todas as aulas. Numa dessas aulas que eu não tava afim de assistir foi que aconteceu esse relato.

No segundo semestre do meu curso de Direito entrou uma gente nova no meio do ano e uma dessas pessoas era uma mulher de seus 40 anos, magra, mais baixa que eu (tenho 1.83), até que bonita, mas com uma sensualidade inerente que me deixava louco. Logo no primeiro dia que ela entrou na sala, já veio me elogiando dizendo que eu era bem inteligente e querendo puxar assunto comigo, ela pediu meu whatsapp e já foi puxando conversa, depois de uns dias conversando, e após eu começar a elogiá-la dizendo que ela era bonita, e que eu adoraria saber como é uma mulher mais experiente, as conversas começaram a ficar mais picantes, com ela me mandado fotos de calcinha, sutiã e até da sua bucetinha lisinha sem nada.

Depois dessas conversas, num certo dia, chamei ela pra conversar na parte de fora da faculdade e a beijei, ela estava com um perfume suave, mas que me deixava louco, chamei ela pra ir pra um local mais ermo, mas ela não quis, pois estava com medo por estar com a roupa de trabalho. Após isso, em outra ocasião, chamei-a novamente pra sair da sala comigo e ela novamente aceitou, ela me olhava com uma cara de safada e me devorava com os olhos. Lá fora, começamos a nos beijar e eu novamente a chamei pra ir pra um local mais ermo e ela, dessa vez, topou. Fui com ela pra parte atrás da biblioteca, lá comecei a beijar sua boca, seu pescoço, apertava sua bunda com força, ela gemia baixinho em meu ouvido. Ela dizia que era melhor a gente ir pra outro lugar, pois ali era perigoso. Eu continuava beijando seus lábios e seu pescoço, e ela, por mais que dissesse uma coisa, fazia outra, pois ia apertando meu pau por cima da roupa. Ela estava com muito tesão, pois se roçava em mim com muita vontade e não parava de apertar meu pau e pegar nele por dentro da calça também. Coloquei a mão dentro de sua calça, dentro de sua calcinha e fui masturbando ela, mexendo no grelinho dela, ela cheia de tesão, mas o perigo da situação deixava tudo ainda mais excitante. Eu vou e tiro meu pau pra fora da calça e ela começa a me punhetar ali mesmo e eu masturbando ela por dentro da calça, eu dizendo que ia fazer ela gozar ali, que iria deixar a calcinha dela toda molhada, e ela dizendo que ia me fazer gozar ali, mas logo depois eu guardei meu pau de volta, pelo perigo de alguém aparecer. Ela então me dizendo que estava muito excitada, e eu só querendo deixar ela ainda mais louca de vontade, então desci a blusa que ela usava, tirei o peito dela pra fora da roupa e chupei um depois o outro, enquanto ela gemia baixinho, depois ia e pegava ela pelas pernas e levantava, encaixando o quadril dela no meu e fazendo ela sentir o volume do meu pau na calça, nisso ela já estava louca de tesão e me implorou pra irmos num motel. Ela foi na sala pegar as coisas dela na sala, e eu deixei lá mesmo.

Como eu sou novo na região, não conhecia nenhum motel por perto e ela também não, então ficamos procurando perdidos algum lugar. Eu vejo que tá dando o horário do intervalo, faltavam vinte minutos, a gente volta pra faculdade pra eu pegar minhas coisas, mas fico no estacionamento com ela até dar o horário. Enquanto estávamos no estacionamento, eu peguei os peitos dela e chupei de novo, nisso ela tirou o sutiã e deixou aqueles peitos pequenos de bicos grande ali bem perto da minha boca e eu os chupava como um bebê faminto. Eu estava muito excitado também e tirei meu pau pra fora da calça, ela pegou nele e começou a me punhetar no carro, eu peço pra ela chupar, ela vai e cai de boca no meu pau, lambendo, chupando, indo e voltando com aquela boquinha macia.

Eu entro pegar minhas coisas, todo mundo perguntando onde eu tava, eu dou uma desculpa de que tava passando mal e precisava ir embora. No que voltei para o carro, já saímos e fomos procurar um motel. No que achamos um (ela lembrou de ter visto um no caminho de ida), eu estava sem dinheiro (vida de universitário é foda) e ela pagou o motel. Eu enquanto virgem, ao ouvir relatos de amigos que perderam a virgindade, eles sempre diziam que no começo se ia rápido demais, e coisa e tal, e eu, no entanto estava impressionado de ter ficado um bom tempo com ela me masturbando e depois me chupando e ainda não ter gozado, talvez devido aos exercícios de pompoarismo que faço quando me masturbo sozinho. Enfim, chegando no motel, ela foi tirando a roupa e deixando meia luz, e eu fui tirando também, apesar de ter preferido que ela tivesse deixado acesa, mas achei melhor ela fazer o que achasse melhor. Assim que ela tirou a blusa e o sutiã, já a peguei em meus braços e comecei a beijá-la, beijando seus pescoço e a jogando na cama, ela tirou a calça, e eu tirei minha blusa e minha calçã, ficando só de cueca, ela vem e tira minha cueca, e fica peladinha em cima da cama. Confesso que antes achava que mulheres mais velhas eram menos higienicas e peludas, mas ao ver de perto aquela bucetinha lisinha e cheirosa, mudei de opinião, então não resisti, caí de boca, comecei a beijá-la, chupa-lá, lamber seu grelinho e girar a língua, deixava a língua bem boba e passava no seu clitóris, ela gemendo, gritando, puxando minha cabeça em direção ao quadril dela, e eu ali sugando seu grelinho, aquela buceta estava implorando pelo meu pau, então eu vou e subo em cima dela, começo o movimento de vai e vem, colocando meu pau naquela bucetinha quente e molhada, ia beijando sua boca, seus seios, apertando eles com as mãos, ela gemia gostoso e quando eu aumentava a velocidade, ela gritava, aumentava o volume e arranhava minhas costas, e então gozava gostoso, isso se repetiu algumas vezes nessa posição, após isso, ela fechou um pouco as pernas e pediu pra eu abrir pra ficar mais apertadinha, travava as pernas em mim, arranhava minhas costas, meu quadril, pegava na minha bunda também, depois disso ela se virou e ficou de costas pra mim, fiquei louco vendo aquelas curvas e ela guiou com as mãos meu pau na sua buceta de novo, então fui e comecei de novo a socar na buceta dela, e ela gemendo bem gostoso, então decidi por em prática algumas coisas que ouvi dizer que as mulheres gostam, e segurei seu cabelo com as mãos e comecei a bater na sua bunda, eu batia bem forte e ela dava gemidos de dor e de prazer e parecia estar amando (o que veio a se confirmar depois quando ela disse que adorou apanhar na bunda e que foi a primeira vez que alguém fez isso), depois disso, fiquei um pouco cansado e deitei, nisso ela foi e começou a sentar no meu pau, de frente pra mim, enquanto eu beijava seu pescoço, seus seios, puxava ela pra mais perto e ela ia sentando no meu pau, bem gostoso), depois voltamos a primeira posição, ela me olhava nos olhos, me chamava de gostoso, eu chamava ela de delícia, chamava-a de safada e ela gostava pra caralho, então comecei a aumentar a velocidade e senti a vontade de gozar, então parei um pouco e fui beijar seu pescoço e seus seios, então falei pra ela que tinha parado porque se não ia gozar, ela disse que era pra gozar mesmo, que ela já tinha gozado várias vezes e que queria gozar junto comigo agora, então comecei a aumentar a velocidade e bombar muito forte na buceta dele, ela gritava, me chamava de delícia, arranhava minhas costas e eu beijava sua boca, enquanto aumentava ainda mais a velocidade, e ela gozou e poucos segundos após eu também, e foi uma delícia sentir meu leite preencher toda aquela bucetinha dele, então nos beijamos e ficamos na cama um pouquinho, eu todo suado, afinal, tava muito calor e também a gente tinha ficado muito tempo naquela foda gostosa. Após isso tomei um rápido banho gelado e logo depois que terminei ela entrou e tomou um banho quente, fiquei louco vendo aquela mulher deliciosa ali se limpando no banho após eu ter lambuzado a bucetinha dela de porra. Depois disso colocamos nossas roupas e fomos embora, no caminho pra ela me deixar na minha casa, eu contei que nunca tinha feito sexo antes e que era minha primeira vez, ela começou a rir e não acreditava, e eu continuava sério e disse que não estava brincando, que realmente era a minha primeira vez, ela então disse que não dava pra acreditar, pela maneira que eu a beijei, pela maneira que eu pegava nela, tocava nela, pelo jeito que eu chupei sua bucetinha, e também pelo tempo que eu aguentei (ficamos uns 30, 40 minutos só na penetração, fora o tempo que ela me punhetou e me chupou também), pela minha “performance” como um todo, ela achou que eu era bastante experiente. Eu fiquei me sentindo muito, pois morria de medo de, na primeira vez, ir rápido demais e/ou ficar muito perdido, mas só segui os meus instintos e deu certo, e ela, além de pagar o motel, ainda me deixou na porta de casa, ou seja, foi a primeira, única e mais barata foda da minha vida.

Sexo por Telefone

Deixe um comentário