A minha namorada cristã quer sexo anal

A minha namorada cristã quer anal, foi isso quando ela me disse que quer testar na nossa primeira vez Isso me deixou bem desconcertado quando ela me fez tal pedido pois apesar de que ela é uma garota com um fogo no rabo, ela me pedir por um anal em nossa primeira vez me fez ver um novo lado da minha namorada. Quando começamos a namorar, não precisei alguns meses de namoro para poder dar nosso primeiro beijo. Ela mesmo em meu quarto de repente colocou seus lábios sobre os meus e sua língua entrou sem qualquer gentileza em minha boca, minha namorada cristã com seus dezesseis anos, seios medios, pele branca, cabelos pretos com seus 1, 65 m e uma cintura de modelo tem me feito realizar alguns fetiches que ela tinha na cabeça. Desde nosso primeiro beijo ela tem agido com um vigor que nunca vi antes, talvez pelo fato dela ter se retraído essa lado dela por viver numa família cristã fez com que muito dos seus sentimentos e desejos fossem guardados até ter uma oportunidade de namorar.

Disk Sexo

Quando nos conhecemos na igreja pela primeira vez, a mesma já veio até mim com um algum interesse em mente. Desde fazendo parte do mesmo departamento que o meu dentro da igreja, indo aos eventos da igreja e estando ao meu lado no ônibus que até por fim, a mesma me pediu em namoro sem mais nem menos. Linda simplesmente me pediu em namoro discretamente e me abraçando num canto da rua fazendo com que seus seios pressionar meu peitoral, com esse avanço sobre mim não tinha como eu recusar um pedido tão especial e dessa forma acabamos de começar um namoro. Me apresentar aos pais dela não foi um problema e foi algo bem suave de se fazer, o mais chato são aquelas perguntas do que eu via na filha deles para que eu a pedisse em namoro. Fora esses questionamentos o resto foi bem deboa.

Agora eu e minha namorada estamos deitados na minha cama, ninguém estava em minha casa. Estamos sem qualquer peça de roupa e quer dizer que estamos completamente nus, seis seios macios e quentes pressionavam meu peitoral. O calor de sua carne passava pelo meu corpo, meu pênis duro roçava entre as perna de Linda. Ao olhar por seus olhos, ela me encarava seriamente. Enquanto eu estava cheio de vergonha da situação em que nos encontramos, ela tinha uma aura de tão determinada, minha mão direita fazia um pequeno aquecimento amaciando a carne da bunda dela. O ar quente que saia de sua narina batia em meu rosto com força, parece que minha mão está fazendo algum efeito nela pois sua respiração também perdia bem o ritmo quando eu apertava a bunda dela.

– Você realmente quer fazer isso Linda ? –

– Sim, temos o melhor momento para fazer isso. Seus pais não estão em casa e sua mão está apreciando minha bunda já tem um tempo. –

– Desculpe. –

– Não precisa se desculpar, eu gosto de sua mão pegando em minha bunda querido. Sabe, meu corpo fica quente ao ponto de parecer que estou com febre. Mas como eu disse, eu gosto desde que seja unicamente sua mão. –

– Eu não sei o que dizer………. Tudo bem eu continuar pegando em você…? –

– Claro seu bobo, meu corpo é todo seu. Mas temos que fazer o que eu quero fazer, logo não vamos perder tempo. –

– Tudo bem, vamos começar. –

De começo eu resolvo primeiramente abrir o anûs dela já que antes de ficarmos deitado em minha cama ela me pediu para fazermos anal. Conhecendo a figura da minha namorada eu meio que esperava alguma loucura vindo de sua doce boca, meio que eu não fiquei tão abalado vindo um garota cristão. Enfim, como estamos numa posição mais que certa para meu dedo entrar em seu ânus, meus dedos vão fazendo seu caminho até o seu buraco.

Posso ver nos olhos de Linda como eles tremiam um pouco, se perdiam e não me encaravam na mesma intensidade que antes. Era certo que seu corpo reagia com meus dedos chegando em seu buraco mais e mais, e até que por fim finalmente cheguei ao meu destino.

– Essa área é estranha. – Eu falei sentindo a textura do anûs dela. –

– É ? Hmmmm……. Está bom para você ? –

– Meus dedos estão coçando para entrar, tá sentindo eu tateando seu buraco ? –

– Sim, está bem gostoso e estou impressionada pelo fato de você fazer isso sem medo. Já fez esse tipo de coisa ? –

– Claro que não, você é minha primeira namorada apesar de tudo. –

– Você então já viu essas coisas em pornô ? –

– Algumas vezes. –

– Por que não me disse que via essas coisas ? Eu sempre quis ver com você. –

– Como eu ia saber que você é uma pervertida da igreja ? Já foi estranho você se aproximar de mim do nada na igreja. –

– Na próxima vez que for ver pornô, me chame para eu ver junto de você. –

– Hmmmm……. Não sei se isso é uma boa. –

– Por que ? Tem vergonha de sua namorada ver com você ? -’

– Não é isso, é meio que meus gostos são bem peculiares… Estranhos até para uma pervertida como você. –

– Para de falar besteira, é dever de uma namorada aceitar os defeitos do seu homem. Me deixe saber seus desejos, não quero ser a única que pede as coisas de forma egoísta. Eu quero saber tudo de você, me diga tudo quando se sentir bem em me dizer, ok ? –

– Pode ser. –

– Ótimo, mas por algum motivo você parou de tentar de entrar em meu ânus quando começamos a conversar. Comece a mexer esse dedo com mais vigor, vai logo. –

Não disse mais nada e comecei com mais iniciativa abrir o ânus virgem dela, senti a pressão que seu órgão excretor fazia força para impedir que meu dedo continuasse a penetrar mais ela. O corpo de Linda tremia e se contorcia com o quão fundo meu dedo foi indo até dentro dela que até por fim não pude ir mais adentro, a textura da carne dela é bem estranha, de alguma forma excitante. Dizem que quando você enfia o dedo no ânus de alguém ou do seu próprio é bem capaz de sentir uma ponta do seu excremento, mas por sorte eu não senti nada dentro de Linda. Minha mente viajava entre o interior dela e sentir o calor do seu corpo grudento no meu, Linda é tão macia quanto seus próprios lábios e isso fazia com que meu corpo bombeia o sangue com grande intensidade.

– Dizem que dar vontade de cagar quando se coloca um dedo dentro do ânus ? Meu dedo está dando essa vontade em você ? –

– Hmmmm…. Um pouco, quando você desce o seu dedo eu sinto uma pitada de cagar. –

– Mas é uma vontade verdadeira ou só uma breve sensação ? –

– Uma breve sensação mesmo, seu dedo está fazendo o buraco do meu ânus abrir de uma maneira que meu corpo está se contorcendo todo…. Hmmmm…. Isso…. Ai mesmo……. Enfia um pouco mais fundo. –

– Desse jeito ? –

– Sim, está indo muito bem, a sensação do seu dedo dentro de mim é bem gostosa… Nem acredito que você é tão virgem quanto eu. –

– Estou indo tão bem assim mesmo ? –

– Está seu bobo, seu dedo está fazendo um ótimo trabalho. Sou uma garota de sorte ter alguém competente como você. –

– De nada…. Eu acho…. –

– Agora vamos aproveitar o momento para continuar e seguir o próximo passo. –

– Certo. –

Minha namorada se soltou de mim e ficou de quatro estando ela com sua bunda apontando para a parede do meu quarto, sua bela visão fez meus olhos quase saltaram de suas órbitas. Sei que devia esperar o casamento para podermos fazer essas coisas, mas a tentação de ter e possuir minha namorada falou muito mais alto e ainda mais com ela querendo fazer sexo comigo. Não tinha como não ficar animado com isso, o corpo de pele branca de Linda, seus cabelos por trás de seu pescoço caindo e balançando. Minha namorada tinha uma determinação de fazer o que temos que fazer inabalável, não possuía qualquer vergonha de estar nua em cima da minha cama e para mim. Seus olhos me observavam esperando que eu começasse a penetração de seu ânus, logo respirei fundo e preparei minha mente para começar.

Dei um rápido recuo andando na minha cama de joelhos e estando na traseira de Linda pude vislumbrar de sua preciosa bunda branca, seu ânus estava um pouco pulsante devido ao fato de ter enfiado meu dedo dentro dela. Meus olhos fizeram uma rápida inspeção mostrando que tudo estava em perfeita ordem para começar. Linda virou a cabeça para me olhar ansiosa para meu trabalho, não havendo qualquer espaço para recuo conduzo meu pênis duro para o precioso buraco dela. Meu coração palpita como se alguém estivesse batendo em um tambor fortemente, meu pênis então veio a chegar no buraco dela mas que sentiu uma leve repulsa do buraco pela intromissão dele. Como este é um buraco em que coisas saem dele e não entram diferente da vagina é normal o corpo reagir sozinho me recusando.
– Está bem ? –

– É só que eu achava que a penetração no seu ânus seria fácil como nos filmes pornôs. –

– Esses caras tem experiência nessas coisas, mas com o tempo você vai fazer isso em mim com muito mais facilidade. Tome o seu tempo. –

Assenti com a cabeça e posicionei a ponta da minha glande no ânus dela, tive que respirar fundo para então tirar as forças para que eu pudesse numa só tacada conseguir enfiar dentro dela. Meus olhos ganharam confiança e meu corpo ganhou a força necessária para seguir seu curso, com um pouco de nervosismo consigo enfiar o meu pênis dentro dela. Devo dizer que a mesma força que o buraco dela fazia para tentar tirar meu dedo de dentro era a mesma força querendo tirar o meu pênis de dentro.

Mas descrevendo o que meu pênis sente dentro dela devo dizer que é bem esquisito, é como se a textura da parede anal dele fosse a textura da glande do meu pênis. Não sei bem explicar para mim mesmo essa sensação estranha, um lugar sem qualquer lubrificação ou algo do tipo. Agora eu sei porque os atores poro vivem usando lubrificante, uma área que permitia tanto a entrada com facilidade do coco mas que dificultava a entrada de qualquer outro objeto.

– Hmmmmm….. Nossa…. Meu deus…. –

– Está doendo ? –

– Não, isso tá muito bom de uma forma diferente do que eu pensei. Hmmmm…. Mmmmmm…… Só de você mexer só um pouquinho meu corpo está tremendo com cada movimento seu……. OH DEUS ISSO É MUITO BOM ! –

Ela deu um grito de prazer que me deixou assustado pelo volume e que por sorte não havia ninguém em casa, os minutos foram se passando e pude sentir como o ânus dela foi me permitindo manter meu pênis dentro dela. Meu corpo já estava demonstrando os sinais de cansaço, meus joelhos já cediam de tanto ficar na mesma postura e meu pênis dizendo que quer já gozar. Não tive dúvidas de quando a vontade estava na ponta do meu pênis eu gozei com tudo que eu tinha.

– Haaaaa… Haaaaa… Haaaaa……-

– Isso foi muito bom….. Eu… Quero isso mais vezes tá bom…… Vamos descansar um pouco e tomar um banho. –

– Sim, vamos fazer isso. –

Deixe um comentário